A Tampa da Panela do Diabo e o Deputado Incendiário

O título desta postagem tem a ver com o ditado italiano “Il Diavolo Fa Le Pentole Ma Non I Coperchi”, que significa “O Diabo Faz a Panela Mas Não Faz a Tampa”.

No caso que vou abordar, tem mais ou menos o mesmo significado do nosso “A esperteza quando é demais engole o esperto”.

Ambas se aplicam às situações em que o indivíduo se acha acima de tudo e de todos e acaba caindo do alto da sua mediocridade.

Isso me ocorreu ao ler um artigo do Josias de Souza, colunista da Folha de São Paulo, acerca do Deputado Federal Daniel “como-é-mesmo-o-sobrenome-dele” Silveira, aquele que queria colocar fogo no circo.

A tese do jornalista é interessante: ele acha que para o cidadão em questão pode ser interessante perder o mandato.

Leia:

Perda do mandato virou um sonho para Silveira

Josias de Souza

Colunista do UOL

19/02/2021 23h58

Quando alguém reivindica liberdade, precisa saber o que fará com ela. Imaginando-se protegido pelo escudo da imunidade parlamentar, o deputado Daniel Silveira achou que seria uma boa ideia usar a liberdade de expressão que o regime democrático lhe proporciona para atacar a democracia. Tornou-se um parlamentar sui generis. Exerceu com máxima liberdade a prerrogativa de escolher o seu próprio caminho para o inferno.

Definida a situação prisional de Daniel Silveira, o deputado passará por dois fornos. Num, responderá no Conselho de Ética da Câmara a um pedido de cassação por falta de decoro parlamentar. Noutro, será julgado como réu em ação penal a ser aberta pelo Supremo Tribunal Federal a pedido da Procuradoria-Geral da República. O deputado falastrão logo perceberá que se meteu num enrosco que faz com que o seu pesadelo seja melhor do que o despertar.

No momento, a cassação do mandato na Câmara seria um grande negócio para Daniel Silveira, pois a denúncia formulada contra ele pela Procuradoria desceria para a primeira instância, sujeitando-se ao manancial de recursos protelatórios que o ordenamento jurídico brasileiro coloca à disposição dos réus. Conservando o título de deputado federal, o personagem será julgado no Supremo pelos ministros que ele disse em vídeo que gostaria de ver surrados nas ruas. Condenado na última instância do Judiciário, em decisão irrecorrível, o deputado se converterá automaticamente num político ficha suja. E será banido das urnas.

Ocorreu com Daniel Silveira algo muito comum em política. No início da semana, o deputado achava que era uma coisa. Descobriu em poucos dias que sua reputação já o havia transformado em outra coisa. Imaginava ser amigo de Jair Bolsonaro. E achava que o corporativismo do Congresso não permitiria que nada lhe acontecesse. Bolsonaro fingiu-se de morto. E os sacerdotes da corporação legislativa concluíram que não faria sentido acionar o espírito de corpo para defender um corpo estranho. De repente, nada tornou-se para Daniel Silveira uma palavra que ultrapassa tudo.

Para ler no site, clique aqui.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *