Chaim, Golda e a Autoajuda

Chaim e Golda já estavam casados há muitos anos.

Os amigos viviam dizendo que ele era dominado pela mulher e que precisava se impor. Um deles recomendou que lesse um livro chamado “O Homem da Casa”. 

Chaim comprou o livro e uma noite, quando terminou de ler, foi até a cozinha, onde estava Golda, e disse: 
– “De hoje em diante quero que você saiba que eu sou o homem da casa e minha palavra é lei”.

Golda mal olhou para ele, que continuou falando:
– “Hoje você vai me preparar um jantar gourmet. E quero aquela sobremesa que você sabe que eu gosto”.

A essa altura Golda estava atônita com a coragem do marido e quase disposta a acabar com a conversa, mas decidiu ver até onde ele ia.

E Chaim, animado pelo silêncio da mulher, foi adiante:
– Depois quero que encha a banheira com água quente para me dar um banho relaxante”.

Golda não sabia se ria com a ousadia do outrora submisso marido ou se ficava preocupada com um possível surto de alucinação.

Resolveu esperar mais um pouco e Chaim continuou:
– “E depois do banho sabe quem vai me secar, cortar minhas unhas e me pentear?

E Golda respondeu:
– “A Chevra Kadisha”. (*)

(*) Chevra Kadisha é o nome dado à sociedade de homens e mulheres voluntários que preparam os corpos dos mortos de acordo com o ritual judaico. A mesma sociedade responde pela administração dos cemitérios da comunidade.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *