O Papa e a Expulsão dos Judeus

Conta-se que há cerca de 250 anos o Papa decidiu que todos os judeus tinham que deixar Roma.

Houve uma grande comoção na comunidade judaica e os líderes decidiram conversar com o Papa.

Na audiência o Papa propôs um acordo: ele faria um debate religioso com um membro da comunidade. Se o judeu ganhasse, todos poderiam ficar. Se o Papa ganhasse, os judeus sairiam de Roma.

Sem outra alternativa e sem conseguir identificar um patrício que fosse considerado um debatedor à altura do Papa, os judeus escolheram um homem chamado Moiche para representá-los.

Ele aceitou a incumbência, mas pediu que propusessem ao Papa uma condição: para tornar o debate mais interessante, nenhum dos lados poderia falar.

O Papa concordou.

No dia acertado, Moiche e o Papa sentaram-se um em frente do outro por um minuto antes de o Papa erguer a mão e mostrar três dedos. Moiche olhou para ele e levantou um dedo.

Em seguida o Papa balançou a mão em direção às paredes e após isso apontou para Moiche, que em resposta indicou o chão onde ambos estavam sentados.

Depois o Papa pegou uma hóstia e a colocou na boca, após o que bebeu um gole de vinho; Moiche tirou uma maçã de uma pequena sacola e a comeu.

Neste instante o Papa levantou-se e disse:
– “Desisto, este homem é sábio demais. Os judeus podem ficar”.

Logo em seguida os cardeais cercaram o Papa perguntando o que tinha acontecido.

O Papa explicou:
– “Primeiro eu levantei três dedos para representar a Santíssima Trindade e ele respondeu mostrando um dedo para me lembrar que há um D-us comum a ambas as religiões. Então eu mostrei tudo o que havia em volta de nós e apontei para ele mostrando que D-us nos observa o tempo todo; ele respondeu apontando para o chão, lembrando que D-us estava bem aqui, próximo a nós. Aí eu usei a hóstia e o vinho para mostrar que pela comunhão D-us absolve nossos pecados e ele comeu uma maçã para me lembrar que o Pecado Original é um dogma Católico! O que mais eu poderia fazer? Esse homem tinha resposta para tudo o que eu propunha!”

Enquanto isso, a comunidade judaica se aglomerava ao redor de Moiche, festejando o resultado conseguido.

Foi então que um homem perguntou:
– “O que aconteceu?”

Moiche explicou:
– “Bem, primeiro ele me disse que os judeus tinham três dias para deixar Roma e eu respondi que nem mesmo um único judeu iria embora”.

E continuou explicando, sempre repetindo os gestos feitos pelo Papa:
– “Então ele disse que toda a cidade seria limpa dos judeus, a começar por mim. Insisti que ninguém iria me tirar daqui.”

Aí foi a vez de uma mulher perguntar:
– “E depois, o que houve?

E Moiche disse:
– “Não sei. Ele comeu o almoço dele e eu comi o meu.”

Por favor…
Se você gostou, compartilhe o link da  publicação clicando nos ícones abaixo. NÃO COPIE E COLE. Com isso você valorizará meu trabalho de pesquisa, tradução e adaptação do melhor do Humor Judaico.   


Foto: Amit Lahav – Unsplash

 

 

5 thoughts on “O Papa e a Expulsão dos Judeus

  • antonio celso ribeiro

    Adoro seu blog. Sempre me delicio com as histórias. O humor de nosso povo é único. Obrigado Gerson e parabéns!

    Responder
    • Gerson Guelmann

      Mensagens como a tua representam um estímulo enorme, Antonio Celso. Muito, muito obrigado!

      Responder
  • Luiz Carlos Betenheuser

    Caríssimo amigo , seu blogue ótima enciclopédia de sabedoria e BOM humor! ” O Papa e a expulsão dos Judeus…”, espetacular! As manifestaçõe de Einstein, sublimes contribuições à civilização mundial, digo universal, plenas de sabedoria e BOM humor, sem limites de raça ou credo. A NOSSA ETERNA GRATIDÃO E REVERÊNCIA… Muito obrigado, ABENÇOADO AMIGO e Mestre Gerson Guelman …

    Responder
  • Gilberto

    Excelente

    Responder
  • Gilberto

    Excelente, todos somos filhos de Deus

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *