Samuel Levy e o Índio de Boa Memória

Na década de 1950, Samuel Levy, jornalista recém-formado, conseguiu seu primeiro emprego num jornal de Nova York. Poucos dias após começar a trabalhar, foi designado para uma reportagem fora da cidade.

A informação trazida à redação dizia que no Novo México vivia um índio, já idoso, que possuía uma memória prodigiosa. Capaz de lembrar de fatos e histórias com seus mínimos detalhes, ele passava o dia na estação de trem de uma cidadezinha, onde era uma espécie de atração turística.

Samuel ficou animado com o que achava que seria seu verdadeiro batismo como repórter. Como iniciante na profissão, sonhava com a fama que poderia alcançar já com a primeira grande matéria.

Após três dias de viagem, chegou na pequena estação, onde foi fácil identificar o personagem. O homem estava acocorado na plataforma de desembarque, vestido com as roupas características dos Comanches da região.

O jovem jornalista se apresentou, explicou o que viera fazer e começou a entrevista perguntando sobre a infância e a história da vida do índio.

A medida em que a conversa avançava, Samuel sentia-se inquieto e com a sensação de que o homem era um impostor. Apesar de inexperiente, sabia que a maior parte dos fatos que o índio relatava eram de difícil comprovação e temia que a reportagem ficasse inconsistente e não fosse publicada.

Ao final, antes de se despedir, e já em tom de brincadeira, fez uma última pergunta:
– “O que o senhor comeu há vinte anos, neste mesmo dia?”
– “Ovos” – respondeu o velho índio.

O repórter voltou a Nova York e entregou a matéria, que afinal foi publicada.

Samuel acabou fazendo sucesso na carreira e tornou-se um jornalista famoso.

Um dia, às vésperas de se aposentar e decidido a reviver os episódios do início da carreira, decidiu voltar ao lugar da primeira reportagem. Pegou o trem e foi para a mesma cidade, como havia feito décadas antes.

Ao desembarcar ficou surpreso: o índio estava ali, no mesmo lugar e agachado examente do mesmo jeito. Afinal, Samuel o considerava morto, uma vez que na época da entrevista já era muito idoso.

O velho Comanche sorriu ao reconhecer o jornalista.

O espanto de Samuel Levy, surpreso, não pode conter a exclamação:
– “Como?”

E o já centenário índio respondeu:
– “Fritos.”

Gosta do Humor Judaico?
Se você gostou da publicação, compartilhe o link clicando nos ícones abaixo. NÃO COPIE E COLE. Com isso você respeitará e valorizará meu trabalho de pesquisa, tradução e adaptação do melhor do Humor Judaico.   


Foto: FreeImages

 

2 thoughts on “Samuel Levy e o Índio de Boa Memória

  • Julio Cezar Santos Salomão

    Prezado Gerson, embora descendente de libaneses, admiro profundamente a cultura judaico e procuro acompanhar sempre que posso. Gosto muito do cinema judaico e, claro, o especial humor judaico. Gostaria de receber suas publicações. Atenciosamente, Julio Salomão

    Responder
    • Gerson Guelmann

      Julio, teu comentário reafirma nossa ancestralidade comum, já que somos todos filhos do pai Abraão.
      E a contribuição dos libaneses à cultura mundial jamais poderá ser esquecida!
      Para receber as publicações, peço cadastrar teu e-mail no espaço apropriado ali no Blog, e a partir daí o sistema te informará automaticamente.
      Um abraço fraterno, se cuide e fique bem!

      Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.